SEJA BEM VIINDO A BORDO DO INTUIÇÃO

SEJA BEM VINDO À BORDO DO VELEIRO INTUIÇÃO!

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

O INTUIÇÃO REALIZANDO SONHOS






O INTUIÇÃO REALIZANDO SONHOS



Antes da REFENO de 2013, mais precisamente em Julho, recebi um telefonema do Sr. Wilson, conhecido do meu amigo Froes do Veleiro Uranus, que tinha um sonho de ir a Noronha velejando e participando de uma REFENO.
O Sr. Wilson me preguntou se eu ainda tinha vaga e se podia participar da REFENO 2013 a bordo do Intuição.
Como sempre faço, fiz algumas perguntas ao Sr. Wilson. Vejam as respostas:
1 - Você está acostumado a velejar?
-Tenho um Delta 26 em Porto Alegre e velejo muito por aqui, inclusive velejo em Tapes.
2- Você já fez alguma travessia mais longa?
-Não.
3 – Você enjoa quando veleja?
-Não, inclusive andei de jangada no Ceará e nunca enjoei.
4 - Quantos anos o Sr. tem?
-76 anos.
Na hora, pensei comigo mesmo: Hum será que vai dar certo?

                Depois dessa pergunta fiquei com receio de dizer sim ao meu jovem tripulante e por alguns instantes fiquei preocupado, pois a responsabilidade de levar uma pessoa com esta idade em um evento como a REFENO e ainda mais em um veleiro de 29 pés é enorme, mas fui em frente.
    Aceite o Wilson como meu tripulante e informei ao restante da tripulação (que por sinal nem responderam meu email, só depois foram respondendo um a um)Ok, OK, OK.



            Fiquei preocupado, pois a responsabilidade de levar uma pessoa com esta idade em um evento como a REFENO e ainda mais em um veleiro de 29 pés é enorme, mas fui em frente.
       Acertamos que o embarque seria no dia 03 de Outubro, dia do janta da REFENO e o  desembarque seria em Natal após a chegada de Noronha.


                Para minha surpresa o Sr. Wilson me ligou no final da tarde de quarta dia 02, dizendo que já estava em Recife, que não conhecia nada e se eu sabia de alguma pousada para ele ficar.
          Disse a ele que se não se incomodasse poderia vir para o Cabanga e já embarcar no Intuição. Por volta das 19;00 ele chegou ao Cabanga e a Sueli tratou de avisar no rádio a chegada dele ao clube. Me encontrei com ele na cantina e fomos para o barco. Para meu azar, me ofereci gentilmente para carregar a sua mala, que por sinal estava um chumbo, deveria ter coisas para um mês de velejada hehehehehhehee.

        Por fim, a decisão de realizar o sonho do Wilson foi super acertada. Apesar dos seus 76 anos o Sr. Wilson sempre estava disposto a ajudar em qualquer missão a bordo, com uma energia super positiva que logo contagiou a todos. O seu vigor físico era tão grande que até o Morro do Pico ele queria escalar.

                                                                         76 anos

        Ao Sr. Wilson nosso muito obrigado por sua companhia durante todo esse tempo em que tivemos o privilégio de ter a bordo uma pessoa tal especial como o Senhor.
       Para não esquecer, logo na largada da REFENO o Sr. Wilson deu um enjoada e só foi melhorar na manhã seguinte, quando tomou café e almoçou normalmente. Chegando sem  problema a Noronha depois de mais de 63 horas de velejada.
No dia seguinte pela manhã perguntei ao Wilson:
-O Sr. não anda de jangada?
Ele respondeu: -Sim, andei, mas isso foi em 1976.
Todos riram muito a bordo!



Vejam ai o relato do Sr. Wilson sobre sua participação
 REFENO e  FENAT 2013.


Oi Chagas!
Não tem desculpa que justifique minha demora. Como por exemplo que meu computador agora está meio capenga.
Portanto vou referir abaixo um pouco das infindáveis lembranças que ficaram.
Tenho na minha frente o caneco recebido no Cabanga, o crachá, mais um cartão recebido em Fernando de Noronha como visitante idoso isento de pagamento para visitar certas pontos do arquipélago. Esse caneco, “REFENO 25 Anos”, ouvi um cara dizer que iria pôr fora por ser de vidro. Mas ele não foi ofertado para ser mantido a bordo. Em casa é uma belíssima lembrança.
Sua base tem uma estrela bem bonita. Está aqui na mesa também o livro “Diário de Bordo do Avoante”, de Nelson Mattos Filho. Terminei de ler hoje. É um incentivo para eu largar as amarras do “Guatá”, meu deltinha 26.
As duas regatas, REFENO e FENAT foram para mim um grande aprendizado. E muito estimulante porque acho que foi a gota d’água para eu terminar com um período de não velejar por de minha parte.
Os tripulantes do “Intuição” foram muito especiais. Você Chagas, muito camarada, eclético mas firme no comando, sem hesitar nas obrigações, sempre disposto a ajudar alguém que estivesse com problema, sem relaxar a disciplina necessária. O Odilon com sua calma e prudência. O Leo com seu espírito esportivo sempre dando uma mão onde necessário. Aliás como todos a bordo.
Mas... e aquela pescaria ? Aquela baita cavala!... que o Odilon pescou vai ficar na história. E você Chagas não menos. Porque acertou no tempero e no modo do preparo. Um peixão fresquinho que rendeu duas fartas refeições para quatro tripulantes. Hahahaha!
Outras recordações a esmo.
Em Recife, o Enock, do veleiro “Hermes”, e eu fomos a pé sacar no Banco do Brasil, perto do Cabanga, depois da ponte. Isso me rendeu uma grande bolha no calcanhar direito.
Furei a bolha com a ponta do canivete. Aí você, Comandante, me disse que bolha não se fura. E me deu um antibiótico em forma de spray.
De entre as coisas para recordar estão também brincadeiras, como aquela de “Você gosta de docinho?...” etc.
O Leo, com seu espírito esportivo, mergulhador, nadador, ajudou a destrancar a âncora do “Intuição”hahahahaha! Quando menos esperava o cara já estava a nado lá longe.
Por falar nisso ...
É pena que devido ao compromisso de tripulante a gente não podia se estender muito no uísque, senão eu teria comprado um litro no Súper Noronhão.
Naquela farmácia do Noronhão comprei óleo mineral puríssimo. Eu estava trancado 3 dias, apavorado, pois normalmente funciono bem. A moça que me vendeu o óleo disse que era pra tomar só 3 tampinhas. Não tomei nenhuma e fiquei bom naquele mesmo dia. Você Chagas solidário me consolou que o Below (não sei se acertei a grafia) tinha ficado trancado 9 dias.
Tudo na REFENO + FENAT para mim são muito gratas recordações. Desde o meu embarque no “Intuição” dia 02/10/2013 até minha despedida no Bairro Alecrim em Natal de uma turma tão legal.
Eu não conhecia nem Recife, nem Natal, tampouco Fernando de Noronha.
Quando cheguei na noite do dia 2 de outubro no aeroporto de Recife pensei poh! e agora quê que eu faço? vou para um hotel chego no Clube amanhã? Peguei o celular e liguei pra você Chagas, e, o que então o que você disse me descontraiu, me deixando à vontade: “Pega um táxi e vem pro Cabanga e já dorme no barco hoje.” Tal hospitalidade me fez muito bem. Ao chegar no Cabanga me apresentei a você Chagas, e não sei se se lembra quis inclusive a carregar minha mala até o “Intuição”. Por sinal com um peso danado. Levei coisas demais.
Fiquei admirado também com a hospitalidade de todos no Cabanga. Que coisa boa.
Apesar da idade, que acham que é muita, aprendi muito. Às vezes fico pensando como é que um barco tão pequeno fez tais navegadas. Posto ainda que ele tinha alguns probleminhas que surgiram mas que não o impediram de ganhar um troféu na REFENO.
Chagas, desculpe se escrevi rápido, meio sobre a perna, como diz o outro. É que também poh já faz horas que você me pede.
Então aí foi.
De qualquer forma, meu amigo Chagas, fico aqui desvanecido por ter tido o privilégio de navegar contigo.
As recordações ficarão e ao apreciar fotos e vídeos com voz elas ficam mais vívidas.
Um grande abraço! Fico por aqui à sua disposição.
Bons ventos!
Wilson Alfeu Schneider


Abraço a todos e Bons Ventos
Comandante Chagas
Veleiro Intuição

sexta-feira, 8 de novembro de 2013

Natal - Cabedelo / Maceio - Salvador




Natal - Cabedelo /  Maceio - Salvador
2013


                                                                 Ainda em Noronha

        Depois de 5 dias aproveitando Natal chegou a hora de começar a descer para Salvador.
     Como todos sabem, ajudo os amigos a levarem seus barcos aos seus portos de origem e dessa fez tive que levar um carro para Brasília em regime de urgência.
     Tudo aconteceu muito rápido e na terça a tarde peguei um ônibus para Recife e de lá um avião para Aracaju, pois na sexta pela manhã já queira estar na estrada rumo a Brasília. 

                                                                   Eta Veleiro Lindo

      Com isso não pude fazer a perna até Maceió.
     Aproveitei que o Ronaldo estava a bordo e deixei ele encarregado de levar o Intuição até Maceió e eu me encontraria com eles por lá para descermos juntos até Salvador.

                                                                      Atento a segurança 

       Na quarta, eles saíram de Natal e eu comecei acompanhando pelo SPOT. O combinado, se o tempo tivesse bom, era que eles poderiam descer direto para Salvador, e se houvesse algum atraso eu poderia embarcar em Maceió.


                                                  Ronaldinho Gaúcho ( Veleiro Thimshel)


                                                                Ronaldinho atento no leme

        Na quinta-feira, no final do dia, eu estava parando para dormir depois de um dia dirigindo e recebi um telefonema do Ronaldo informando que no través de Cabedelo, o estai de proa do Intuição partiu bem em cima da porca do Norseman e só não se soltou totalmente, pois ficou preso ainda pela vela, pelo cabo que prende o enrolador no guarda mancebo e pela adriça da genoa (que no caso do enrolador alado depois de subir a genoa, o cabo é preso na base do enrolador). Detalhe é que todo o sistema foi trocado e refeito em 2011 para a REFENO, ou seja, quebrou com dois anos de uso (muito estranho). Perguntei logo se o mastro tinha quebrado e para minha alegria nada de mais aconteceu ao mastro.
      Com isso, eles entraram em Cabedelo e o Ronaldo providenciou refazer o estai.


                                                             Comandante tranquilo 

       A tripulação preocupada com um atraso maior, trocaram suas passagens e o Ronaldo ficou sozinho a bordo. Na sexta, conversei com o Ronaldo e ele me informou que tinha arrumado um tripulante e que estaria seguindo para Maceió para me esperar. A descida para Maceió, segundo o Ronaldo, foi muito tranquila, velejaram bem e fizeram o trecho em um ótimo tempo. 


                                                                   Través de Aracaju

         Combinei que chegaria em Aracaju na terça e que na quinta estaria em Maceió para a gente sair para Salvador. Na quinta pela manhã peguei um ônibus de Aracaju para Maceió e cheguei  às 11:00. Sai com o Ronaldo para almoçar e logo voltamos para o barco e às 14:30 soltamos a poita e seguimos rumo a Salvador com vento quase na cara e com muita chuva.
          Logo que deixamos Maceió vimos que a noite seria de chuva e tratei de colocar minha roupa de tempo.


                                                             Plataformas em Sergipe (muitas)
         O Ronaldo estava em sua hora de descanso, quando o vento deu uma parada e as velas começaram a bater. Rapidamente chamei  ele e enrolamos toda a genoa. O Ronaldo voltou a dormir em seguida entrou um baita pirajá com muito vento e uma chuva que não dava para ver nem a proa do barco. Esse pirajá durou em torno de 20 minutos com muito vento e chuva.  
         Depois o tempo deu uma boa melhorada e o vento rondou para E (Leste) melhorando nossa velejada, que foi tranquila durante o restante da noite.


                                                       No quarto de hora ao amanhecer

        Pela manhã de sexta o vento ficou bem fraco e ligamos o motor por umas 3 horas. No final da manhã o vento melhorou bastante e velejamos bem a 6/7 nós rumo a Salvador.
      No final do dia de sexta estávamos no través de Aracaju velejando bem. A noite de sexta foi melhor, com céu limpo, com muitas estrelas e uma lua que clareava nosso rumo. 
         O GPS do barco já marcava a nossa chegada para às 19:00 de sábado.
                                                                      

                                                                  Amanhecer de Sábado

          No sábado pela manhã o ventou voltou a ficar fraco e de novo ligamos o motor até o fim da manhã. Logo depois o vento melhorou e demos uma boa velejada até o final da tarde. Já em Itapuã o vento parou de novo e ajudamos no motor.
            Ás 18:00 estávamos entrando na Baía de Todos os Santos e ainda aproveitamos para assistir a um lindo pôr de Sol. Muitas pessoas estavam por trás do farol de Itapuã justamente para assistirem ao fenômeno. Às 21:00 já estávamos no píer do Aratu onde tomamos um belo banho e depois de jantar fomos dormir.



                                                                         Com muito sono 
                               




                                                                          Nascer do sol 



                                                                  Nascer do sol 





                                   Para quem vai para o Mar ele proporciona essa maravilha

          Agradecemos a Deus por mais um retorno seguro ao Aratu depois dessa jornada de mais de 1500 milhas navegadas pela costa do Nordeste (onde pela 4ª vez consecutiva participamos da REFENO da FENAT). Se Deus permitir ano que vem tem mais.



Muito bonito o nascer do sol por aqui



          Obrigado ao amigos Odilon, Léo, Lauriston, Wilson, Pedro Berlanga e Ronaldinho Gaúcho pelo companheirismo durante todo esse tempo que navegamos juntos.

Abraço a todos 
Chagas - Veleiro Intuição

segunda-feira, 4 de novembro de 2013





         
                     Intuição Fundeado em Noronha 2013
   
          Agora vocês podem acompanhar o blog por Email. É só colocar seu Email na barra lateral do blog - na parte onde tem escrito: Acompanhe o Veleiro Intuição por Email - que irá receber notificações de novos posts.

Abraço a todos,
Chagas - Veleiro Intuição 

domingo, 3 de novembro de 2013

FENAT 2013 (NORONHA - NATAL)






FENAT 2013 
(NORONHA - NATAL)


Intuição em Noronha (ao fundo morro do pico)



        No sábado pela manhã acordamos cedo e depois de um delicioso café da manhã começamos a finalizar os últimos detalhes da nossa saída de Noronha para Natal. 
           A largada estava prevista para às 09:00 e às 08:30 colocamos a vela mestra para cima no primeiro rizo, ainda no ferro, e depois providenciamos recolher nossa âncora que como previsto saiu bem fácil.


                                                          água cristalina de Noronha

           Decidi sair no primeiro rizo, pois se o vento na área de fundeio já não estava de bom humor, imagina lá fora depois da Ponta da Sapata.





        Assim que foi dada a largada, abri a genoa e entrou uma rajada de vento fortíssima fazendo o Intuição atravessar mesmo no primeiro rizo e acabei dando um 360 graus e seguindo rumo novamente. 




                                                                  Minha Tripulação

       O vento estava bem fresco e o mar bastante desencontrado, o que deixava a velejada bastante desconfortável. Depois de nos afastar da Ilha o vento ficou mais constante e sem rajadas, e eu pensando em colocar o Intuição no segundo rizo, pois o vento continuava bem forte.


                                                                          Odilon



         Quase todos os monocascos estavam rizados e poucos eram aqueles com tudo em cima, o que deve ter proporcionado a estes uma velejada bem dura.


                                                                          O Comandante

          Mesmo no primeiro rizo o Intuição andava bem, mas o mar não ajudava e a velejada era bem sofrida. Tratei de dar uma regulada no meu piloto para que pela noite pudéssemos ter uma velejada mais tranquila.


                                                           chegando a hora do pôr do sol

        Fiquei muito surpreso com o funcionamento do meu piloto, mesmo com o vento forte e o mar bem mexido ele segurou muito bem o Intuição no rumo.


                                  1º Rizo e genoa quase toda enrolada: Velocidade 6 nós 


                                                            No Pier (Iate Clube do Natal)




                                                            Festa da premiação em Natal




        O dia inteiro foi de vento forte, e antes de escurecer eu devia ter colocado o segundo rizo, o que daria muito mais estabilidade na navegada. A noite toda o vento e o mar continuaram como de dia e o Intuição navegava bem a 6 nós. O vento chegou nas rajadas a 33 nós.






         Pela manhã já tínhamos a chegada prevista no GPS para ás 19:00 e foi exatamente nesse horário que cruzamos a linha de chegada dentro do rio Potengi, bem em frente ao Iate Clube do Natal.

                                       Ganhando mais um troféu


      Logo depois da nossa chegada, uma lancha do clube se aproximou e nos conduziu ao píer flutuante do clube onde ficamos até a data da saída para salvador.

                                         Simplesmente eu


Abraço a todos
Chagas Veleiro Intuição






















quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Passeando em Noronha 2013.

   DEPOIS DA REGATA: 
PASSEANDO EM NORONHA


 Fundeado em Nor

         Logo que chegamos no local de ancoragem procuramos um local para jogar nosso ferro e depois de acertar com minha tripulação a manobra, jogamos a âncora e fundeamos largando bastante corrente e cabo, pois a profundidade no local era de 17 metros.


Intuição Fundeado em Noronha

         Depois de dar uma geral no barco e tomar um delicioso café da manhã, decidimos descer em terra e alugar um bugre. Antes de descer, o Léo, mergulhador profissional a bordo do Intuição, caiu na água e foi certificar se o ferro estava bem unhado na areia ou se tinha algum tipo de problema. Para minha surpresa ele retornou a bordo e disse que o ferro tinha caído exatamente entre 3 pedras.               Tínhamos certeza de duas coisas: estávamos bem ancorados em Noronha e que daria bastante trabalho sair de lá.


 Novo Bar na Praia do Sueste

        Descemos em terra com o bote do Intuição e logo conseguimos alugar um bugre até a sexta pela parte da tarde.
    Começamos o passeio pela praia de Sueste, onde podemos observar a grande melhora na área de apoio ao turista, com bar, mesas e banheiros limpos. Agora na ilha além da taxa diária, quem quiser visitar algumas praias, entre elas Sancho, Sueste, Baia dos Golfinhos e outras, tem que pagar uma taxa de 150,00, onde brasileiros tem um desconto de 50% e vale por 10 dias.



 Banheiros novos e limpos em Sueste





 Praia de Sueste



 Léo nosso tripulante na praia de sueste


Chuveiros em Sueste 

     Depois de Sueste, subimos ao mirante com vista para a Praia do Leão. A vista é maravilhosa e com o sol brilhante de Noronha, as fotos ficam perfeitas.




Mirante praia do Leão 

 Eu no mirante


 Odilon meu tripulante





 Praia do leão sem comentários


      Praia do leão, que vista!

 Wilson 76 anos, meu tripulante

       Ainda antes do almoço passamos na Praia do Cachorro para um mergulho no mar e depois um bom banho na bica de água doce lá existente.




Odilon e Wilson na praia do Cachorro

























 Léo




 Minha Tripulação 

       Almoçamos na Praça Central e depois do almoço voltei para o barco e pessoal continuou o passeio pela ilha. Para a janta, preparei uma cavala ensopada que estava uma delícia.



                                      Eu na Cacimba do Padre ao fundo morro dois irmãos



       Na manhã de quarta após o café, voltamos para a ilha para aproveitar e enquanto o Léo mergulhava, decidimos ir na praia da Cacimba do Padre. Lá, subimos no mirante que vai para a Baía dos Porcos e tiramos belas fotos do Morro Dois Irmãos.


                                                             Baía dos porcos ao fundo


                                              Morro dois irmãos ao fundo vista fantástica




                                                        Praia da Cacimba do padre ao fundo

        Como ninguém é de ferro descemos até a Baía dos Porcos e demos um belo mergulho naquelas águas transparentes. Voltamos para almoçar na Praça Central e depois fui para bordo para arrumar o barco e dar uma boa geral. À noite, jantamos a bordo uma bela lasanha de presunto. 

                                                 Água cristalina da baía dos porcos

       A noite foi hora de festa no Porto de Noronha com a premiação da regata, e para nossa surpresa o Intuição na classe aberta B ficou em 3º, pois o restante desistiu por causa do vento fraco e contra. Subimos ao podiun para receber nosso troféu e por muito pouco não ganhamos o troféu de tripulante mais velho (tínhamos o tripulante com 76 anos e perdemos para o amigo João Peralta com seus 78 firmes e forte em mais uma REFENO). Parabéns ao amigo João Peralta.
      Aproveitei para tirar uma foto com meu primeiro instrutor de velas kakakakaka. Foi uma bela festa!



                                                           Eu e Torben Grael

        Na quinta pela manhã foi dia de reunião de comandante para a regata Noronha Natal (FENAT) que ia largar no sábado pela manhã. Depois da reunião teve um coquetel na Pousada Monsieur Rocha, que estava sensacional. Aproveitamos e fomos até a Praia da Conceição (lá existe no alto de uma pedra uma imagem de Iemanjá) para agradecer a Iemanjá toda a proteção na travessia.

                                                                             Iemanjá






                                                                   Praia da Conceição


        Depois, fomos para a Praia do Cachorro tomar aquele bando de mar e de água doce na bica sensacional que lá existe.




    À tarde como de costume, voltei ao barco para curtir bem o Intuição em Noronha.




         Na sexta pela manhã fomos visitar a Praia do Americano, e para variar um pouco, almoçamos no mesmo lugar dos outros dias onde a comida é boa. À tarde, voltamos todos para o barco, pois era hora de começar a preparar a volta para Natal. A primeira providência era trocar o barco de lugar para não ter problema com a âncora no sábado pela manhã, então decidi na sexta pela tarde tirar o ferro e fundear num local de areia próximo. Depois de muita luta e quase ter que fazer um mergulho de garrafa para soltar o ferro das pedras, conseguimos soltar e fundear em uma área maravilhosa de areia, nos dando a certeza que no dia seguinte não teríamos dificuldade de sair. 
Ao fazer a última inspeção no Intuição e ao mergulhar para ver o eixo e o hélice observei que meu contra pino da porca do hélice tinha caído e aproveitei para recolocar outro no lugar. Não sei como o danado saiu dali, pois foi colocado recentemente e as pontas foram bem torcidas para não soltar. 


Agora é esperar a largada que vai ocorrer sábado às 9h de Fernando de Noronha.

Abraço a todos
Chagas veleiro Intuição